Pages Navigation Menu

TIPOS DE PARTO

FONTE = PLANETA BEBE

Tipos de Parto

As várias formas de dar à luz

 

Ao final da gravidez, em que seu corpo trabalhou como uma incrível usina de produção de vida, o bebê, produto de uma magnífica transformação, vai nascer. Você precisa saber qual o momento de ir para a maternidade. Um primeiro alerta de que o trabalho de parto vai começar é dado pela eliminação do muco, um tampão gelatinoso que vedou o colo do útero durante a gravidez. Existem outros sinais mais definidos, como o rompimento da bolsa de água. Depois que ele ocorre, o bebê deve nascer no prazo de 24 horas, para se evitar o risco de infecção. O começo das contrações, e a repetição delas em intervalos cada vez menores – de 10 para 5, 3, 2 minutos, sem parar – , é o sinal derradeiro de que o pequenino vem vindo e que chegou a hora. Um misto de curiosidade, preocupação e medo costumam povoar a mente da mulher grávida neste momento tão importante. É comum, entre outras coisas, o receio de falhar na hora H, não sabendo como expulsar a criança para fora do útero. Esta preocupação, no entanto, pode ser afastada se você se preparar durante a gravidez para enfrentar com tranquilidade o momento culminante do parto.

O método Léboyer

Na década de 70, o obstetra francês Fréderick Léboyer, criou um método que pode ser adotado em qualquer posição que a mulher queira dar à luz. Ele surgiu como uma crítica à forma violenta em que o bebê era recebido: pendurado de cabeça para baixo e levando palmadas nas nádegas para respirar, numa sala clara demais e cheia de médicos e assistentes.
Léboyer sustentou que o parto era um processo simples e natural, portanto deveria ser tratado como tal, ou seja, o bebê seria recebido num ambiente acolhedor e por poucas pessoas. Em vez de pendurá-lo, o médico deveria coloca-lo sobre o peito da mãe para ser acariciado e se sentir protegido. O cordão seria cortado depois desse contato, quando ele já estivesse respirando por si mesmo, sem palmadas e sem choros.
As alterações que ele introduziu, influenciaram a maneira de como os médicos viam o parto e ampliaram o poder de escolha das mulheres sobre posições mais confortáveis e naturais de dar à luz. Mesmo as que se submetem à cesariana, tem o direito de receber o filho no peito antes que lhe cortem o cordão e o levem para exames.

É melhor relaxar – O bebê agradece

Desde sair de casa, chegando à maternidade e durante todo o parto, quando as contrações uterinas ficam mais fortes e intensas, o bebê continua precisando receber de sua mãe sinais de segurança e tranquilidade. Afinal, ele também está passando por momentos penosos, já que para ultrapassar o estreito caminho da bacia, é obrigado a efetuar difíceis movimentos com seu corpinho que ainda não está acostumado a isso.

Mas como transmitir segurança e tranquilidade num momento como esse, quando as contrações são fortes, intensas, e o desejo de conhecer aquele pequeno serzinho deixa as mães ansiosas e tensas? Não é difícil. E, levando-se em consideração que nesse entrosamento mãe/filho depende muito do bom desenrolar do parto, vale a pena tentar. O simples fato da mamãe estar consciente da necessidade de se manter calma e relaxada durante todo o trabalho de parto, já é um importante passo para alcançar este objetivo.

PAPAI! – Preciso de você

Na hora do parto, apenas a companhia do obstetra e seus assistentes não deixa a futura mamãe mais tranquila. Portanto, é imprescindível que mais uma pessoa esteja ao seu lado, o papai.
Infelizmente ainda há maternidades que proíbem a presença do pai na sala de parto, mas quase todas as particulares a permitem.

O acompanhamento do pai do bebê durante o trabalho de parto, além de dar apoio a futura mamãe, permite com que ele se sinta mais útil, ao contrário do que se estivesse alí fora esperando pela vinda de seu filho. Além disso, ele terá a vantagem de ser uma das primeiras pessoas a segurar o pequenino.

Silêncio! – Meu bebê vai nascer

A mamãe, já em posição para dar à luz, deve receber instruções do obstetra e seus assistentes sempre em voz baixa. Desta maneira eles a auxiliam mais do que gritando, deixando-a mais descontraída. Esta é uma regra que deveria ser seguida com rigor. Na verdade, mais do que expressões nervosas ditas em voz alta, do tipo “Faça força! É agora! Ajude! Já está nascendo!”, a mulher precisa nesse momento, de paciência, silêncio, compreensão e segurança, para que possa voltar ao seu ritmo próprio e reequilibrar-se a cada contração mais forte. Este tipo de comportamento, no entanto, depende muito da equipe médica que vai atendê-la.

As várias formas de dar à luz

Em linhas gerais, há duas maneiras de parto: naturais e operatórios. Os naturais são aqueles que podem ser feitos sem a intervenção direta do médico. Já os operatórios, necessitam de instrumentos cirúrgicos. Conheça agora, os vários tipos de parto.